Seres bioluminescentes surgiram há 540 milhões no Cambriano

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Seres bioluminescentes podem ter surgido durante o período Cambriano, há 540 milhões de anos, de acordo com novo estudo.

Vale destacar, que este período marca o momento de grande surgimento e diversificação de diferentes grupos de animais.

Além disso, essa característica de produzir luz provavelmente surgiu por animais marinhos e pode ter servido, para:

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------
  • Comunicação;
  • Ritual de acasalamento;
  • Predação;
  • Camuflagem.

Com isso, esse trabalho principalmente tenta estimar quando surgiu essa característica e em qual grupo animal.

Então, neste post do Biologia Digital, você vai descobrir qual criatura do Cambriano foi a primeira a apresentar bioluminescência e quais foram as possíveis vantagens evolutivas.

Foto: Reprodução/ Canva Pro

Os primeiros seres bioluminescentes surgiram há 540 milhões de anos

Um novo estudo afirma que as primeiras criaturas bioluminescentes surgiram durante o período Cambriano, há 540 milhões de anos atrás.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Vale destacar, que o trabalho foi liderado pela bióloga Danielle DeLeo e publicado no periódico Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences.

Cabe salientar, que esta nova estimativa é de 300 milhões de anos mais antiga do que os cálculos anteriores, quando se pensava que essa característica pudesse ter surgido há 267 milhões de anos, durante o Permiano, com crustáceos.

Octocorais são os animais mais antigos com bioluminescência

Vale destacar, que os estudiosos há muito tempo já sabem que os octacorais, cnidários da classe dos antozoários, são os animais mais antigos com a capacidade de produzir luz.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

No entanto, os pesquisadores queriam determinar o momento exato do surgimento da bioluminescência.

Dessa forma, para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram a árvore evolutiva de fósseis de octocorais e mapearam as espécies vivas que apresentam bioluminescência, já que esta característica parece ser hereditária entre diferentes grupos.

Portanto, os resultados sugerem que a bioluminescência pode ter surgido em espécies de octocorais do período Cambriano.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Quais as possíveis vantagens evolutivas

Cabe ressaltar, que uma reação semelhante à que ocorre para produzir a bioluminescência inicialmente servia para desintoxicar o oxigênio, altamente tóxico nos primeiros organismos.

Desse jeito, essa reação teria evoluído para transformação de energia química em luminosa através da reação química envolvendo a enzima luciferase que oxida o substrato luciferina.

Com isso, a bioluminescência surgiu entre os octocorais de 540 milhões de anos atrás como uma característica muito importante, principalmente em locais sem luz, como no fundo dos mares.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Inclusive, segundo os cientistas, essa característica teria surgido junto com os primeiros olhos ou estruturas fotorreceptoras, indicando a função de comunicação da bioluminescência.

Além disso, os pesquisadores acreditam que a bioluminescência também ajuda na camuflagem, acasalamento e predação.

Vale destacar, que essa característica não permaneceu somente entre os animais marinhos, como águas-vivas, corais e peixes, mas também está presente entre seres terrestres, como:

  • Vaga-lumes;
  • Besouros;
  • Fungos.

Conclusão

Então, neste post, você descobriu que, de acordo com esse novo estudo, a bioluminescência é uma característica muito antiga que provavelmente surgiu nos octocorais há 540 milhões de anos, no período Cambriano.

Além disso, você aprendeu que essa característica confere diversas vantagens evolutivas, na: comunicação, predação e camuflagem.

Espero que você tenha gostado da leitura, caso afirmativo, compartilhe essa notícias científica com seus amigos e amigas.

Leia mais: Ferrão de abelha na pele: saiba como retirar e sintomas provocados

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Leandro Sinis, além de ser o CEO do Biologia Digital, traz consigo uma bagagem valiosa como biólogo e divulgador científico, graduado pela renomada Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Sua paixão pela ciência e pelo compartilhamento do conhecimento o impulsiona a liderar esta plataforma com dedicação e expertise. Para entrar em contato com Leandro, envie um e-mail para: leandrocarsi89@gmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *