Conheça a história de Opal Sandy: Menina surda que voltou a ouvir graças a terapia genética revolucionária

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Imagine a emoção de ouvir os primeiros sons da vida após viver um ano no silêncio total. Essa é a história de Opal Sandy, uma menina britânica que, graças a uma inovadora terapia genética, agora pode ouvir e começar a falar. 

No artigo de hoje você vai entender como essa tecnologia está transformando vidas e o que isso pode significar para o futuro da medicina.

Um milagre da ciência: O caso de Opal Sandy

Foto: Reprodução / BBC

Opal Sandy, uma menina nascida surda devido a uma mutação genética, tornou-se a primeira criança a participar de um ensaio clínico revolucionário. 

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

A terapia, desenvolvida pela empresa de biotecnologia Regeneron, foi aplicada como uma infusão diretamente no ouvido direito de Opal. 

O objetivo da terapia é fazer a  substituição do DNA defeituoso que causa a surdez hereditária. 

Seis meses após o tratamento, Opal consegue ouvir sons suaves como um sussurro, por exemplo, e já começou a pronunciar palavras como “mamãe” e “papai”.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Mas, como funciona a terapia genética?

A terapia genética utilizada em Opal emprega um vírus modificado e seguro para transportar uma cópia funcional do gene OTOF para as células do ouvido interno. Dessa maneira, ela corrige a mutação que causava a surdez. 

Diferente dos implantes cocleares, que apenas simulam a audição, essa terapia tem o potencial de restaurar a função auditiva normal. 

Portanto, a expectativa é que crianças tratadas precocemente possam desenvolver a audição e a fala de forma natural.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------
Foto: Reprodução / BBC

O dilema dos pais de Opal Sandy!

Os pais de Opal, Jo e James, enfrentaram um dilema angustiante ao permitir que a filha fosse a primeira a testar o tratamento. “Foi muito assustador, mas acho que tivemos uma oportunidade única”, afirmou Jo. 

A decisão se mostrou acertada, com resultados que superaram as expectativas! 

A irmã mais velha de Opal, Nora, também nasceu com o mesmo tipo de surdez e utiliza um implante coclear, mas a família optou por tentar a nova terapia para Opal, buscando uma solução potencialmente mais eficaz e menos invasiva a longo prazo.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Uma esperança para muitas famílias

A terapia genética para a surdez hereditária está sendo explorada globalmente, com ensaios clínicos no Reino Unido, EUA, Espanha e interesse crescente de médicos em países como a China. 

Os especialistas estão otimistas de que essa abordagem possa beneficiar muitos outros tipos de perda auditiva profunda. Isso porque mais da metade dos casos de perda auditiva em crianças tem causa genética. 

Sendo assim, há uma esperança crescente de que essas terapias possam ser ampliadas para tratar formas mais comuns de surdez.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Inclusive, o Dr. Manohar Bance, o cirurgião auditivo responsável pelo ensaio clínico de Opal, expressou grande entusiasmo com os resultados. “É maravilhoso vê-la responder ao som”, diz ele. 

Além disso, ele destaca que restaurar a audição em crianças pequenas pode evitar a necessidade de tecnologias como implantes cocleares, que requerem substituição ao longo do tempo.

Leia mais: Mayaro: Existe risco de disseminação do vírus em outras regiões do Brasil?

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Rafaela Lucena é uma farmacêutica e redatora apaixonada pelo mundo do bem-estar, astronomia e tecnologia. Combinando sua paixão e conhecimento, ela escreve artigos envolventes e informativos para o Biologia Digital, inspirando nossos leitores a explorar esses fascinantes temas. Para trocar ideias ou colaborar, entre em contato pelo e-mail: rafaeladelucena@gmail.com.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *