James Webb detectou a fusão de duas galáxias a cerca de 270 milhões de anos-luz

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------
Foto: ESA/ James Webb

James Webb detectou a fusão de galáxias a cerca de 270 milhões de anos-luz da Terra, o registro foi divulgado pela ESA, nesta terça (25).

O fenômeno aconteceu no sistema que fica localizado na constelação de Cetus, em uma região conhecida como IC 1623.

Esse é o mais novo feito do supertelescópio da NASA, que é capaz de enxergar no infravermelho.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Em 2021, o telescópio Hubble já havia feito a detecção da colisão das galáxias.

Porém, como ele só “enxerga” na faixa da luz visível, não foi possível obter informações importantes por causa da grande quantidade de gás e poeira.

Vale lembrar que a IC 1623, é uma zona de formação de novas estrelas e essa síntese de estrelas está potencializada pela colisão entre as duas galáxias.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

James Webb detectou a fusão de duas galáxias a cerca de 270 milhões de anos-luz

A fusão provoca um aumento na formação de estrelas porque todo o gás presente nas galáxias é comprimido pela gravidade, o que causa uma síntese muito rápida de estrelas. 

Os cientistas chamam esse processo de starburst, que é justamente essa onda imensa de formação estelar, que tem normalmente como causa a colisão entre duas galáxias.

Dessa forma, o James Webb com suas lentes poderosas que enxergam na luz infravermelha, conseguiu registrar o fenômeno e também obteve informações novas por trás de toda a poeira cósmica da região IC 1623.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Assim, o JWST conseguiu observar detalhes que o Hubble não foi capaz, como os núcleos brilhantes dessas galáxias em colisão.

Com todos os dados obtidos, os cientistas fizeram algumas análises e estudos interessantes.

Por exemplo, os astrônomos revelaram que a região IC 1623, onde acontece a colisão, produz estrelas numa taxa 20 vezes maior do que a nossa galáxia, a Via Láctea.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Como disse antes, isso acontece provavelmente devido a colisão que aumenta a formação estelar, o fenômeno starburst.

Além disso, os cientistas disseram que a colisão entre essas galáxias é tão violenta, que dar origem a um buraco negro supermassivo.

Conclusão

Em mais um novo feito, James Webb detectou a fusão de duas galáxias a cerca de 270 milhões de anos-luz.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

O registro revelou detalhes incríveis de uma região de formação estelar na constelação de Cetus, local conhecido como IC 1623.

Nessa região acontece a colisão entre duas galáxias, o que potencializa a síntese de novas estrelas.

Compartilhe o artigo nas redes sociais, para isso clique nos botões acima!

Leia mais artigos do Biologia Digital:

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Leandro Sinis, além de ser o CEO do Biologia Digital, traz consigo uma bagagem valiosa como biólogo e divulgador científico, graduado pela renomada Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Sua paixão pela ciência e pelo compartilhamento do conhecimento o impulsiona a liderar esta plataforma com dedicação e expertise. Para entrar em contato com Leandro, envie um e-mail para: leandrocarsi89@gmail.com