James Webb descobre 6 galáxias que não deveriam existir

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------
Foto: NASA, ESA e CSA/Divulgação

Cientistas usando os dados do James Webb descobriram galáxias nos primórdios do universo, próximo do big bang, 

que não deveriam existir com base no modelo cosmológico atual.

Os cientistas Ivo Labbé e Erica Nelson, da Swinburne University of Technology, na Austrália, estudaram uma das primeiras imagens do James Webb…

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

E descobriram 6 galáxias a cerca de 500 a 700 milhões de anos após o big bang que não deveriam existir.

Vale lembrar que os cientistas calculam a distância dos objetos cósmicos através da luz emitida por eles, usando a unidade de medida de anos-luz.

Então objetos que emitem comprimentos de onda curtos, emitem luz visível e estão relativamente próximos da gente.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

E conforme a expansão do universo acontece, esses comprimentos de onda são esticados e os objetos passam a emitir luz infravermelha.

Ou seja, são objetos que estão mais distantes de nós. Dessa forma, olhar para objetos no céu significa literalmente olhar para o passado. 

Leia mais: Telescópio Euclid vai ajudar James Webb a compreender a expansão do universo

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

James Webb descobre 6 galáxias que não deveriam existir, tão massivas quanto a Via Láctea

Com isso, o que chamou a atenção desses pesquisadores, é que essas 6 galáxias observadas que estão localizadas nos primórdios do universo…

Não deveriam existir porque a gente está observando o universo quando ele tinha cerca de 500 milhões de anos.

Então, nessa época, o normal é a gente encontrar galáxias pequenas e jovens.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

E de acordo com esses cientistas, essas 6 galáxias que foram descobertas são tão massivas quanto a nossa galáxia, a Via Láctea. 

No entanto, a nossa galáxia, tem 10 bilhões de anos de vida e as imagens dessas galáxias são de quando o universo tinha “apenas” 500 milhões de anos.

E isso tem deixado os astrônomos intrigados porque desafia o modelo cosmológico atual, que explica como o universo evoluiu.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

O estudo desses cientistas foi publicado na revista Nature, no dia 22 de fevereiro deste ano.

Leia mais artigos do biologiadigital.com.br

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Leandro Sinis, além de ser o CEO do Biologia Digital, traz consigo uma bagagem valiosa como biólogo e divulgador científico, graduado pela renomada Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Sua paixão pela ciência e pelo compartilhamento do conhecimento o impulsiona a liderar esta plataforma com dedicação e expertise. Para entrar em contato com Leandro, envie um e-mail para: leandrocarsi89@gmail.com