Experimentos de Pasteur derrubaram a teoria da geração espontânea

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Os experimentos de Pasteur foram muito importantes para acabar de vez com a teoria da geração espontânea, ou abiogênese.

Essa teoria afirmava que alguns seres vivos podiam surgir espontaneamente da matéria sem vida através da “força vital”.

E essa força vital era um princípio imaterial necessário para produzir algumas formas de vida a partir da matéria inanimada ou da transformação de outros seres.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

A abiogênese caiu por terra no século XIX com os experimentos do cientista francês Louis Pasteur (1822-1895).

Tentativas de derrubar a abiogênese antes dos experimentos de Pasteur

Antes de Pasteur, outros cientistas tentaram provar o equívoco da teoria da geração espontânea.

Experimento de Redi

O primeiro deles foi Francesco Redi (1626-1697), que provou que os seres “vermiformes” são, na verdade, larvas que surgem de ovos colocados por moscas em pedaços de carnes, por exemplo.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Inclusive, aqui no Biologia Digital, eu já fiz um artigo sobre esse assunto, você pode ler se quiser…

LEIA MAIS: O Experimento de Redi foi o primeiro a tentar descartar a Abiogênese

Experimento de Spallanzani

Outro pesquisador que também tentou superar a teoria da geração espontânea, foi o italiano Lazzaro Spallanzani (1729-1799).

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Spallanzani tentou derrubar o raciocínio do cientista inglês John Needham (1713-1781), que através de seus experimentos concluiu de forma equivocada, que os micróbios surgem de forma espontânea em caldos de carne previamente aquecidos e vedados.

Dessa forma, Spallanzani refez os experimentos de Needham e concluiu que o mesmo não havia vedado corretamente ou fervido por um tempo suficiente para impedir a contaminação dos microrganismos pelo ar.

Aqui no Biologia Digital, você também encontra um artigo sobre os experimentos de Needham e Spallanzani, veja o link abaixo.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

LEIA MAIS: Needham e Spallanzani: o debate sobre a origem dos microrganismos

Os experimentos de Pasteur

Na segunda metade do século XIX, ali por volta de 1860, os debates científicos sobre o surgimento dos micróbios intensificaram…

Isso porque a Academia Francesa de Ciências anunciou uma premiação valiosa em dinheiro para quem resolvesse o enigma da origem dos microrganismos.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Na época, teve até envolvimento de outros setores da sociedade, como cientistas e até, claro, membros da igreja.

Desde Redi, já não existia mais dúvidas sobre o surgimento das larvas, todos já haviam entendido que elas surgiam de progenitores da mesma espécie.

E que evidentemente, faziam parte do ciclo de vida de moscas.

Porém, com relação aos seres microscópicos, existia muita controvérsia quanto ao surgimento destes.

Assim sendo, tinha gente (incluindo cientistas) que continuava acreditando que eles surgiam espontaneamente e outras pessoas não.

A velha disputa: teoria da geração espontânea vs teoria da biogênese.

Bastante empolgado em resolver essa polêmica e, claro, motivado pela premiação…

Metodologia usada por Pasteur

O cientista francês Louis Pasteur deu início aos seus famosos experimentos.

Ele distribui caldo nutritivo em quatro frascos de vidro.

  • Os gargalos dos frascos foram amolecidos – assim foi possível esticar e curvar esses gargalos na forma de “pescoço de cisne”;
  • Em seguida, Pasteur, ferveu os caldos presentes nos frascos até sair vapor pelas extremidades.
  • Por fim, ele deixou esfriar lentamente o caldo.

Com os gargalos curvados, Louis Pasteur teve a intenção de deixar o ar entrar na solução.

Porém, as partículas que entravam junto com o ar, ficavam presas nas paredes internas do gargalo curvo.

Assim, Pasteur provou que a mesmo com a entrada do ar que ativa a tal “força vital” não surgiram espontaneamente microrganismos.

Isso porque os micróbios ficavam retidos na curvatura do gargalo e não conseguiam acessar o caldo no interior do frasco.

Para confirmar sua hipótese, Pasteur ainda quebrou os gargalos curvos, e em alguns dias, o caldo nutritivo ficou cheio de microrganismos.

Logo, os seres microscópicos não eram originados por geração espontânea

Desse jeito, Louis Pasteur provou que os microrganismos chegam pelo ar através de germes ou esporos e contaminam o líquido do frasco.

Assim, estava derrubada a teoria da geração espontânea.

Conclusão

Espero que você tenha compreendido como ocorreram os experimentos de Pasteur e a sua importância.

Então, com seus experimentos, Louis Pasteur derrubou a teoria da geração espontânea e a polêmica foi encerrada.

Se ficou alguma dúvida, já sabe, basta me chamar lá no meu instagram, @professorleandrosinis.

Obrigado pela sua companhia até aqui.

Compartilhe o artigo e faça a informação chegar a mais pessoas.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Leandro Sinis, além de ser o CEO do Biologia Digital, traz consigo uma bagagem valiosa como biólogo e divulgador científico, graduado pela renomada Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Sua paixão pela ciência e pelo compartilhamento do conhecimento o impulsiona a liderar esta plataforma com dedicação e expertise. Para entrar em contato com Leandro, envie um e-mail para: leandrocarsi89@gmail.com