Exoplaneta Oceânico foi descoberto pela Tess da NASA

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

A Tess, uma sonda espacial da NASA, descobriu um exoplaneta oceânico em um sistema binário de estrelas.

O exoplaneta, conhecido como TOI-1452b, orbita uma das estrelas de um sistema binário, a TOI-1425, na constelação de Draco.

O mundo oceânico fica a 100 anos-luz de distância de nós, o que é relativamente próximo na escala cósmica.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

A descoberta rendeu um artigo científico na revista The Astronomical Journal no dia 12 de agosto

Como o Exoplaneta Oceânico foi identificado?

A detecção aconteceu usando dados do telescópio TESS da NASA, uma missão que estuda exoplanetas em trânsito.

A sonda identificou o exoplaneta TOI-1425b devido a diminuição no brilho da estrela hospedeira TOI-1452.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

No entanto, como o exoplaneta orbita uma estrela que pertence a um sistema binário de estrelas, a Tess não conseguiu “enxergar” as duas estrelas separadamente.

A sonda só consegue observar as duas estrelas como se fosse uma só, como um único ponto azul.

Uma curiosidade importante, é que as estrelas ficam próximas uma da outra, o equivalente a uma distância de duas vezes e meia a distância do Sol e Plutão.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

A partir daí foi necessário a “ajuda” do SPIRou, um instrumento instalado no telescópio, situado no Havaí.

Esse instrumento é um espectrógrafo infravermelho que é capaz de analisar estrelas de baixa massa.

Além disso, o SPIRou consegue saber se um exoplaneta se encontra na zona habitável.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Após 50 horas de observação através do SPIRou, receberam dados que os fizeram acreditar que esse exoplaneta pode ter uma massa até 5 vezes maior que o nosso planeta.

Como os cientistas sabem que se trata de um exoplaneta oceânico?

Foto: BENOIT GOUGEON, UNIVERSITÉ DE MONTRÉAL

Através dos dados recebidos pelos instrumentos da missão, os astrônomos acreditam que o TOI-1452b é um excelente candidato a um exoplaneta oceânico.

Isso porque segundo as análises, sua massa e seu raio sugerem uma densidade menor do que seria de se esperar para um planeta com uma constituição de metal e rocha, assim como o nosso.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

O que pode ser explicado pela presença muito grande de um material mais leve como a água.

Então de acordo com o estudo, os cientistas acreditam que o exoplaneta pode apresentar uma espessa camada de água em sua constituição, cerca de 30% da sua massa.

Isso é bastante significativo. Para você ter uma noção do isso representa…

O nosso planeta tem 70% da sua superfície coberta por água. Porém, essa substância representa apenas 1% da massa da Terra.

Isso porque a água é relativamente leve se comparada a rocha e metal.

Então supor que 30% da massa do TOI-1452b é água, é uma notícia incrível!

James Webb pode estudar melhor o exoplaneta oceânico TOI-1452b?

O James Webb com seus instrumentos e componentes poderosos que detectam a luz infravermelha pode ser muito útil no estudo do exoplaneta oceânico TOI-1452b.

Vale lembrar, que recentemente o telescópio espacial James Webb fez a detecção de dióxido de carbono na atmosfera de um exoplaneta, o Wasp-39b.

Então as observações do mundo oceânico com o James webb vão acontecer em breve.

E serão muito importantes para entendermos melhor a composição desse maravilho exoplaneta oceânico TOI-1452b.

Conclusão

A descoberta do exoplaneta oceânico através das observações da Sonda Tess da NASA chamou atenção da comunidade científica.

Agora a expectativa é da observação desse novo mundo pelo poderoso telescópio espacial James Webb.

O que será que os dados do JWST vão nos mostrar?

Aqui no Biologia Digital você encontra mais conteúdos sobre espaço.

LEIA MAIS: James Webb detecta dióxido de carbono em exoplaneta

Receba os novos conteúdos do blog no seu telegram, para isso acesse o nosso canal: https://t.me/professorleandrosinis

Você pode me seguir lá no Instagram.

Compartilhe o artigo nas redes sociais.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Leandro Sinis, além de ser o CEO do Biologia Digital, traz consigo uma bagagem valiosa como biólogo e divulgador científico, graduado pela renomada Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Sua paixão pela ciência e pelo compartilhamento do conhecimento o impulsiona a liderar esta plataforma com dedicação e expertise. Para entrar em contato com Leandro, envie um e-mail para: leandrocarsi89@gmail.com