Asteroide próximo da Terra pode ser um fragmento lunar, diz estudo

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------
Foto: Addy Graham / University of Arizona

De acordo com cientistas da Universidade da Arizona, um asteroide de cerca de 20 metros de raio próximo da Terra pode ser um fragmento lunar.

Segundo o estudo, o asteroide conhecido como Kamo’oalewa  pode ter sido formado a partir do impacto de um asteroide que ejetou material lunar para o sistema solar.

Desse jeito, o Kamo’oalewa está numa órbita distante ao redor do Sol e próximo da Terra, apresentando propriedades orbitais incomuns.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Descoberta e características

Em 2016, graças a essas propriedades orbitais incomuns, os cientistas resolveram analisar o pedaço de rocha que estava numa órbita próxima da Terra para saber sua origem.

E de acordo com os pesquisadores essas duas propriedades orbitais incomuns, são:

  • Primeiro, embora O Kamo’oalewa esteja numa órbita próxima da Terra, na realidade ele tem como parceiro orbital o Sol;
  • Segundo, de acordo com simulações, os cientistas preveem que o Kamo’oalewa permanecerá próximo da Terra por milhões de anos em vez de apenas algumas décadas como geralmente acontece com outros objetos.

Assim, devido a essas particularidades, em 2021, os astrônomos resolveram verificar os espectros do Kamo’oalewa.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Dessa maneira, ao ser analisada a luz emitida por este objeto,  os estudiosos chegaram à conclusão que a rocha pode ter sido originada a partir da ejeção de material lunar provocada por um impacto de um asteroide.

Novo estudo sugere que Kamo’oalewa possa ser realmente uma rocha lunar

Com isso, um novo trabalho teve como objetivo realizar uma simulação de como um impacto por um asteroide poderia ter lançado fragmentos lunares.

Assim, neste estudo os astrônomos descobriram que existe uma remota possibilidade para que alguns pedaços lunares pudessem ser lançados em uma órbita próxima da Terra.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Ainda, os estudiosos acreditam que possam haver mais fragmentos lunares flutuando ao redor do Sol.

Vale ressaltar, que esta pesquisa resultou em um artigo publicado no periódico científico Comunication Earth & Environment, no último dia 23 de outubro.

Veja mais artigos do Biologia Digital que podem te interessar.

------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------
------CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE------

Leandro Sinis, além de ser o CEO do Biologia Digital, traz consigo uma bagagem valiosa como biólogo e divulgador científico, graduado pela renomada Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Sua paixão pela ciência e pelo compartilhamento do conhecimento o impulsiona a liderar esta plataforma com dedicação e expertise. Para entrar em contato com Leandro, envie um e-mail para: leandrocarsi89@gmail.com